Governo sinaliza 1º ano de vacinação contra Covid19 e observou um minuto de silêncio em memória das vítimas da pandemia

Numa cerimónia simbólica, em Santa Catarina de Santigo, hoje 18 de março, o governo, assinalou o 1º ano da vacinação contra a covid19 e o Primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva pediu um minuto de silêncio em memória das vítimas da pandemia da Covid19 na presença de vários Membros do Governo, entre os quais o Ministro da Saúde, Arlindo do Rosário.

“Gostaria de prestar uma homenagem aos profissionais de saúde que estiveram desde a primeira hora na frente das incertezas, porque era a primeira vez, não só em Cabo Verde, mas também no mundo que estávamos confrontando uma pandemia agressiva em termos dos seus impactos e efeitos e em período curto. Havia reticência e desconfiança se pudéssemos estar à altura para fazer um bom combate, mas os resultados mostram que sim. Conseguimos.”

O Primeiro-ministro disse que Cabo Verde conseguiu com o sistema Nacional de Saúde que tem fazendo primeiro a identificação muito precoce daquilo que era necessário fazer em termos de investimentos, de medidas, dos recursos humanos e da mobilização. Disse que nesta frente estiveram profissionais de saúde, do Serviço Nacional de Proteção Civil, da Policia Nacional, das Forças Armadas, das organizações da sociedade civil das Câmara Municipais, das Igrejas e de muito mais organizações que permitiram, de uma forma muito coordenada, fazer um bom combate, primeiro salvar vidas, segundo proteger as pessoas, as empresas, o emprego e o rendimento e evitar colapsos.

Considerou que “não houve colapso do sistema de saúde, não houve colapso social, não houve colapso económico” afirmando que neste percurso houve pessoas que morreram e por isso pediu um minuto de silêncio em memoria de todos que faleceram por conta desta pandemia.

Segundo o chefe do Governo o reconhecimento de Cabo Verde como um bom exemplo no combate a pandemia não é só interno, disse que recentemente o Banco Mundial fez uma publicação sobre o país como exemplo na luta e contra a pandemia e reconhecendo o Sistema Nacional de Saúde, as medidas de mitigação, proteção e de antecipação que foram implementadas.

Reconheceu ainda o governo, o papel desempenhado por vários parceiros internacionais, e nacionais nesta luta, mas também os dos cidadãos que conseguiram dar as respostas que eram exigidas, lembrando que no inicio, o país não tinha máscaras e álcool gel suficientes.

No entanto ,o Primeiro-ministro disse que ainda existem desafios na região Santigo Norte, quer para a primeira, segunda dose, quer para dose de reforço e para a vacinação dos adolescentes e “isto quer dizer que há algum problema de resistência que precisamos vencer porque nós só estaremos protegidos quando todo o mundo estiver com situações controladas.”

Para a Presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina a vacinação foi um processo bem conseguido pelos dados que o país tem conseguido e reforçou o apelo novamente para que os Santa-catarinenses continuem a cumprir as medidas que ainda estão em vigor e adiram a vacinação sobretudo a camada jovem.

No dia 18 de março 2021, o Governo de Cabo Verde através do Ministério da Saúde lançava o início da vacinação contra a Covid19, um mês após a aprovação do Plano Nacional de Introdução da Vacina Contra a Covid19 no país, publicado no B. O. nº 19, de 18 de fevereiro de 2021, e, precisamente, numa altura em que se assinalava um ano do aparecimento do primeiro caso de Covid19 no país (19 de março de 2020).

Recorda-se que a vacinação da população contra a Covid19 foi definida no Programa do Governo como a prioridade das prioridades, por se tratar de uma condição determinante para a retoma e o relançamento sustentável da economia e da vida social do país.

Segundo os objetivos traçados, Cabo Verde deveria assegurar a vacinação de pelo menos 70% da população até final de 2021, e proteger as populações elegíveis à vacinação.  Assim, através dos esforços do país na mobilização das vacinas através do mecanismo Covax e de ofertas de outros países, Cabo Verde mobilizou 1 045 840 doses de vacinas (Astrazenica, Phizer, Sinopharm e Moderna) e até o dia 17 de março de 2022, 85,6% da população adulta elegível estavam vacinados com a primeira dose, 73,5% da população alvo, com a segunda dose e cerca de 14% com a dose de reforço.

A cerimónia de sinalização do primeiro ano da vacinação contra a covid19 aconteceu à margem da visita realizada ao interior da ilha de Santiago.

Situação Epidemiológica e da Vacinação do País um ano após o inicio da vacinação

Diretor Nacional da Saúde

O Diretor Nacional da Saúde realizou uma apresentação sobre a situação epidemiológica do país dizendo que o país regista, até o momento, 55.917 caso acumulados, a media da taxa de positividade nos últimos 14 dias é de 0,5, a taxa de letalidade sempre esteve inferior a 1% e o RT está também inferior a 1. Segundo Jorge Noel Barreto Cabo Verde neste momento está numa situação confortável, numa área verde, mas não se deve baixar a guarda pois há que continuar as medidas para que os resultados sejam mantidos.

Precisamente há um ano, no centro de saúde em Achada Santo António estávamos, para a aplicação das primeiras doses de vacina que Cabo Verde tinha recebido a 12 de março de 2021 tendo uma faze preparatória muito intensa que envolveu vários parceiros e colaboradores de todos os sectores. Convém ainda dizer que foi feito um trabalho a nível da diplomacia muito intensa.

 Começamos a vacinação por grupos prioritários seguindo os critérios da OMS e, entretanto, ficamos a saber que o maior fornecedor de vacinas iria suspender as importações porque tinha que resolver a sua situação interna e aí novos desafio sugiram porque nós tínhamos que continuar a vacinação e mais uma vez foi feito um trabalho magnifico em termos da diplomacia o que permitiu a oferta de vacinas por países amigos.

Assim, a 24 de maio com conhecimento que iriam chegar no inicio de junho uma grande quantidade de vacina astrazenica, nós alargamos a vacinação para pessoas com 45 anos ou mais.

Quando também soubemos que iriamos receber grande quantidade em finais de junho, nós alargamos a vacinação para todas as pessoas adultas ou seja maior de 18 anos porque havia muitos jovens também que estavam interessados.

Entretanto com as vacinas que recebemos em junho estrategicamente, o país decidiu priorizar as ilhas do sal e da Boa vista pelos motivos de serem as ilhas turísticas e foi uma operação de sucesso para a imagem do país em relação ao turismo e segurança sanitária para que quando houvesse a retoma fosse um destino seguro.

Em relação ao futuro Jorge Noel Barreto disse que está a ser noticias que a Alemanha, França e Reino Unido estão a ter um aumento de casos, ou seja, curva ascendente e é preciso continuar a acompanhar muito de perto a situação a nível internacional e nacional, continuar a sensibilizar as pessoas para a importância da vacinação e continuar a investir na vigilância sanitária apertada.

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Artigos Relacionados