Governo assume “erros e falhas” e promete continuar com “determinação” a fazer o bom combate à vitória final

“Nesta guerra em que cada dia conta, é difícil não cometer erros e falhas. O Governo assume os seus erros e falhas”, admitiu o Primeiro-Ministro, ontem, 15, numa declaração ao país, afirmando que o mais importante agora é continuar com determinação “a fazer o bom combate até à vitória final”. Para Ulisses Correia e Silva, o mais importante, “é assumirmos que não se trata de uma guerra do Governo contra o vírus, mas de todos, de cada cidadão contra o novo coronavírus. São combates em que cada pessoa conta, porque o seu bom ou mau comportamento faz diferença entre ter poucos, ou muitos casos de infeção e de doença provocada pelo COVID-19”.

De acordo o Primeiro-Ministro o que aconteceu na Boa Vista”é o exemplo daquilo que não pode acontecer. O governo assume as falhas cometidas, apesar de ter cumprido os protocolos exigidos.” No entanto, exigiu responsabilidade aos trabalhadores colocados em quarentena no hotel RIU Karamboa.

“Sob que tipo de pretexto for, é de uma grande irresponsabilidade promover, estimular e incitar trabalhadores em quarentena à rebelião e ao motim face às forças de segurança; assim como foi de uma grande irresponsabilidade o não cumprimento das regras de confinamento nos quartos e as regras de distanciamento. E, é de uma irresponsabilidade ainda maior, o não cumprimento rigoroso do isolamento em casa depois da saída do hotel”, apontou o Primeiro-Ministro.

Com o resultado dos 45 casos positivos, Ulisses Correia e Silva considerou o caso da Boa Vista “uma dura lição para o governo que vai ter que endurecer a aplicação das medidas para obrigar o isolamento durante o estado de emergência, vigiar permanentemente a aplicação da quarentena e reforçar as ações de fiscalização marítima e em terra para evitar que qualquer embarcação viole as regras de impedimento de transporte de passageiros”. 

Também, é uma dura lição para todos os cidadãos. “A violação das regras de isolamento social e de quarentena pode ter consequências dramáticas, que é a pessoa ficar infetada e infetar outros e assim sucessivamente. Coloca em risco a sua saúde, a saúde da sua família, a saúde da comunidade e o próprio país que pode ficar numa crise sanitária e económica prolongada”, disse o Primeiro-Ministro.

 Não obstante, o Chefe do Executivo pediu confiança, serenidade e responsabilidade e garantiu que o Governo tudo tem feito e tudo fará para proteger o país e os cabo-verdianos nesta crise da pandemia do COVID-19.

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Artigos Relacionados